Skip links
liderança autocrática

Como funciona o estilo de liderança autocrática nas empresas

Quando falamos em estilos, a liderança autocrática é uma das mais tradicionais e antigas, dentro das empresas.

A própria palavra autocracia nos remete às decisões que são tomadas exclusivamente pelos governantes, sem consultar a opinião popular.

Neste artigo vamos nos aprofundar nesse assunto e entender se esse estilo de liderança ainda é aplicado e quais os resultados.

Também vamos abordar as vantagens e desvantagens em aplicar a liderança autocrática e quando usá-la.

Alguns livros de liderança podem ilustrar melhor, mas para saber sobre essa especificamente, acompanhe o artigo até o final!

O que é liderança autocrática?

Primeiramente, é importante fazer uma clara definição sobre o que é a liderança autocrática.

A liderança autocrática é o estilo mais tradicional de gerenciar pessoas, o que nos faz lembrar dos antigos chefes e governantes.

Nesse estilo de liderança, o líder assume uma postura mais autoritária e centralizadora das decisões, dentro da equipe. 

Normalmente, esse tipo de gestão costuma criar um ambiente de trabalho mais rígido, podendo gerar diferentes situações desafiadoras.

Além disso, na gestão autocrática, a relação com os liderados é bastante verticalizada

Ou seja, nessa estrutura organizacional os colaboradores que estão abaixo do líder têm pouca ou nenhuma voz sobre os procedimentos internos.

6 características do estilo de liderança autocrática

Nesse caso de liderança autocrática, existem características específicas. Separamos 6 delas para te apresentar. 

1. Centralização das decisões

O gestor que trabalha com a liderança autocrática toma todas as decisões por conta própria com base em suas próprias opiniões, julgamentos e pontos de vista.

Logo, ele evita consultar ou até mesmo conhecer a opinião dos subordinados e mantém uma postura mais distante. 

Naturalmente, os colaboradores não têm a liberdade de sugerir ideias e intervir nas decisões tomadas pelo líder, pois não há espaço para a participação coletiva. 

2. Método de trabalho inflexível

No estilo de liderança autocrática, o líder tem o poder de definir como serão executadas as tarefas.

Isso dá a ele total poder de definição de quem serão os responsáveis por cada processo, além de outras atribuições da gestão de equipes.

Nesse estilo de trabalho inflexível, um colaborador não pode sugerir alteração de uma ordem, ou mudança no cronograma, ou qualquer outro pensamento. 

Na prática, todos devem seguir à risca o que foi determinado pelo gestor. 

Além disso, ele é extremamente diretivo e mantém um controle rigoroso sobre o trabalho da equipe, não deixando qualquer margem para mudanças em seus planos.

3. Hierarquia rígida

Não é de se espantar que a hierarquia seja fortemente imposta no estilo de liderança autocrática. 

Esse modelo de liderança tem inspiração nos comandos táticos militares, onde a hierarquia é um valor essencial e deve ser respeitada acima de tudo.

Logo, a relação é totalmente verticalizada e a obediência é um princípio básico para os profissionais que trabalham com esse líder.

4. Supervisão contínua

Se em alguns modelos de liderança a equipe tem autonomia para executar tarefas, com o líder autocrático isso nunca acontece. 

Ou seja, ele precisa estar no controle de cada etapa dos projetos e processos, e exige que os colaboradores sigam tudo conforme planejado.

Inclusive, é um gestor implacável, não aceita distrações e cobra foco e resultado em 100% do tempo, para justificar a remuneração do colaborador. 

Além disso, dificilmente esse líder reconhece conquistas dos colaboradores, mas está sempre atento aos possíveis erros. 

5. Pressão para atingir metas

Se estamos falando de líderes que se inspiram em táticas militares, logo atingir metas é algo primordial para eles. 

Esse tipo de líder não está preocupado com a motivação de seus colaboradores, pois enxerga apenas a performance de cada um e os resultados em relação às expectativas.

Assim, o que importa é o resultado que o profissional seja atingido. A forma tóxica como isso se deu não importa. 

6. Comunicação restrita

Um líder autocrático não costuma ser aberto ao diálogo e se limita ao necessário para cumprir as metas da equipe.

Ele não é o tipo de gestor que o colaborador vai procurar para falar sobre um problema, pois ele não dá espaço para isso. 

Também não cabem conversas mais humanizadas e troca de ideias dentro da sua gestão, já que o ambiente profissional se restringe ao trabalho totalmente autoritário.

Como é o perfil do líder autocrático?

Já foi possível notar que o líder tem mais um papel semelhante aos antigos chefes do que de um condutor de equipe, não é?

Ele não está disposto a incentivá-los, apenas precisa dar ordens e tomar decisões sozinho.

Por isso, na maioria das vezes não está disposto a receber opiniões, já que não acredita que algo seja mais importante que a palavra dele.

Exemplo de liderança autocrática

Para exemplificar melhor como atua um líder autocrático, vamos citar alguns exemplos para você identificar com mais facilidade.

Imagine que o horário de entrada e saída dos colaboradores foi imposto sem uma consulta prévia.

Não há margem de negociação, tampouco de atrasos. Porém, é estabelecido algo acima da jornada ideal e quem não cumprir pode ser mandado embora.

Pensando friamente, não parece ter nada de vantajoso em lideranças autocráticas dentro das empresas, embora ainda exista.

Contudo, em todas as situações pode haver um ganho, e são essas vantagens e desvantagens que vamos ver logo em seguida.

Vantagens e desvantagens da liderança autocrática

O modelo de liderança autocrática pode ser observado em empresas que buscam reduzir ao máximo a margem de erro e aumentar a produtividade no curto prazo.

Veja a seguir que aspectos você deve colocar na balança antes de adotar a liderança autocrática.

Pontos positivos

Um dos pontos positivos de uma liderança autocrática é ajustar a produtividade em uma equipe composta por colaboradores com pouca experiência e qualificação.

Isso porque, nesse modelo, o líder costuma acompanhar de perto a execução das tarefas e o desempenho individual e coletivo de seus liderados. 

Além disso, o aspecto da rigidez e o detalhamento presente na liderança autocrática ajuda a evitar desvios de atenção por parte dos colaboradores.

A longo prazo esse tipo de liderança pode se tornar muito exaustivo, sendo eficaz apenas em casos pontuais. 

O ideal é que haja um ciclo de feedbacks para que o gestor possa acompanhar de perto a evolução da sua equipe e assim, permitir que os colaboradores possam se tornar mais auto gerenciáveis.

Pontos negativos

Se por um lado a rigidez ajuda a governar melhor os colaboradores pouco experientes, por outro, o excesso de cobrança pode se tornar um fator de desmotivação.

Isso porque, quando as decisões se concentram apenas na figura do líder, os colaboradores tendem a se sentir desmotivados e desvalorizados no decorrer do tempo.

Além disso, os gerenciados podem adquirir dependência, e no caso do líder precisar se ausentar, os colaboradores enfrentam certa dificuldade para manter o bom desempenho.

Outro ponto negativo é nunca poder ser ouvido pelo líder em processos decisórios, gerando insatisfação no bem estar e comprometendo o desempenho da equipe.

Como funciona a liderança autocrática nas empresas?

Percebendo que há um lado positivo para ser explorado da liderança autocrática, podemos ressaltar como ela funciona nas empresas.

Por exemplo, um líder autocrático pode definir situações que precisam de mais pulso firme, geralmente mais técnicas.

Essa pessoa tem mais experiência e aptidões que os demais da empresa, por isso pode ser designado em funções onde precisa-se confiar todas as decisões em uma pessoa só.

Em qual tipo de gestão funciona a liderança autocrática?

Como citado acima, esse tipo de liderança pode ser funcional em alguns cargos mais específicos.

Um CEO, por exemplo, que na maioria das vezes é um diretor executivo, é uma das figuras que mais aderem à liderança autocrática.

Por estar no principal cargo de uma empresa, é fundamental que decida quais caminhos a equipe e a empresa irá seguir.

Por ter uma demanda alta de responsabilidades, pode acabar tendo pouca agenda para lidar com a equipe.

Ele também precisa obter soluções para os problemas de maneira mais rápida, o que o leva a decidir sozinho, sem opiniões das equipes.

O mesmo pode acontecer com gerentes, presidentes, supervisores e coordenadores.

Quando usar o estilo da liderança autocrática

Apesar de estarmos em um cenário que busca relações corporativas mais horizontais, o estilo de liderança autocrática ainda tem sua relevância em certas situações e contextos.

Quando se trata de uma crise, seja por motivos internos ou externos, um líder autocrático  se faz necessário para assumir responsabilidades e direcionar a equipe em situações extremas. 

Nesses momentos, a postura que normalmente parece opressora pode trazer mais segurança para a equipe.

Quando se trata também de executar tarefas objetivas e da forma mais rápida e precisa, o líder autocrático é uma figura necessária. 

De modo geral, ele se encaixa bem em empresas com uma cultura rígida e tradicional, que não têm como prioridade a inovação e o desenvolvimento de talentos. 

Com essas informações é possível que você analise melhor se o estilo autocrático pode ser implantado na sua cultura corporativa ou não.

De qualquer forma, aproveite para conhecer também como funcionam outros tipos de liderança

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.