Skip links

Aprenda como montar um provedor de internet em 9 passos

Aprender como montar um provedor de internet pode ser uma maneira interessante de começar um negócio. Segundo o Comitê Gestor da Internet do Brasil, em 2020, o país chegou a 152 milhões de usuários. Ou seja, 81% da população com mais de 10 anos têm internet em suas residências.

Esses números mostram como esse setor é próspero e está em crescimento. Se comparado ao ano de 2019, houve um aumento de 7% no número de pessoas que estão conectadas à rede.

Se você tem interesse em investir no setor, confira os 9 passos de como montar um provedor de internet!
Banner_Blog_LeCuponSVA

9 passos para montar um provedor de internet

1. Faça uma análise da região

Conhecer a região é fundamental para conseguir avaliar o potencial comercial de onde você está investindo. Caso você pense em montar um provedor de internet via rádio, por exemplo, é necessário ter condições climáticas favoráveis para a atuação, já que eles influenciam na qualidade do sinal.

É importante avaliar também: 

  • o nível de poluição local;
  • tipo de terreno — acidentado ou plano;
  • a topografia do lugar — se há incidência de morros e montanhas.

Tudo isso influenciará nos materiais que você precisará para montar um sistema que garanta bom sinal de internet.

2. Escolha o regime tributário no qual você atuará

As normas determinadas para as pessoas físicas e jurídicas definem a forma como os impostos serão pagos ao governo federal. É preciso escolher o regime correto, para não acarretar em pagamentos errados.

 Existem três tipos de regime tributário: 

  • Simples Nacional: a receita bruta deve ser de até R$ 4,8 milhões;
  • Lucro Presumido: empresas com setor financeiro e receitas maiores de R$ 78 milhões;
  • Lucro Real: instituições com faturamento anual que não ultrapassam de R$ 78 milhões.

A escolha do regime deve acontecer na abertura da empresa ou no primeiro mês do ano. A opção que fará direciona o pagamento dos impostos federais, estaduais e municipais.

3. Obtenha a autorização

A ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações) oferece uma licença — apenas para Pessoas Jurídicas —, para garantir a atuação na área. A licença é da SCM (Serviço de Comunicação Multimídia).

Ela é uma licença obrigatória para os prestadores que utilizam radiofrequências licenciadas (radiofrequências que não se enquadrem como radiação restrita).

O valor do investimento para obter essa licença é de em torno de R$ 9 mil, mas há facilidades para quem atua com pequenos provedores de internet, aqueles que contam com menos de 5 mil assinantes.

Neste caso, não há cobrança, mas é preciso comunicar à Anatel os serviços que serão prestados.

4. Monte um projeto de rede

Para conseguir garantir um bom atendimento e compreensão da área que você atuará, é preciso fazer um projeto de rede.

No projeto, você deve estabelecer a área que deseja atender e determinar a porcentagem das ruas ou casas em que deverá prestar o serviço. Além disso, é necessário fazer uma análise do mercado — conhecer a concorrência — e das tecnologias que a região está preparada para receber.

5. Invista em logística

Com o projeto de rede desenvolvido, fica mais fácil elaborar e investir na logística. É preciso pensar em toda a expansão do seu negócio, ele precisará conquistar clientes, manter a comunicação próxima e fidelizá-los.

Para além da jornada do cliente, é preciso pensar em questões técnicas. Por exemplo, se o seu provedor oferece wireless será preciso utilizar antenas e torres. Já para internet por fibra óptica é possível alugar e utilizar os postes de empresas concessionárias, como as distribuidoras de energia elétrica.

6. Compre os seus equipamentos

Para conseguir montar um provedor de internet de qualidade é preciso contar com alguns equipamentos básicos. Listamos os itens necessários para investir nesse mercado e se tornar a melhor opção para os seus clientes.

Roteador

Dispositivo necessário para encaminhar pacotes de dados da rede para o usuário. O roteador confere o destino para esses dados, de acordo com o script determinado pela tabela de roteamento.

Em seguida, os dados são encaminhados para a distribuição pelos próximos roteadores até alcançar o destino final.

Servidor PPoE

O servidor PPoE (Point-to-Point Protocol over Ethernet) é um protocolo de conexão de usuários em uma rede Ethernet com autenticação, criptografia e compressão para segurança de dados.

O PPoE conecta múltiplos usuários em uma rede LAN à internet, utilizando uma linha DSL. Pode ser feito por via wireless ou pelo modem de cabeamento comum. 

Switches de agregação

Peças fundamentais para a camada de agregação e de interação entre as demais camadas de borda e de acesso. Eles operam funções avançadas essenciais para o gerenciamento e obtenção de dados da rede. 

Os switches têm funções importantes como os mecanismos de proteção contra falhas ou problemas de rede.

Distribuidor Interno Ótico (DIO)

O DIO tem a função de organizar as fibras do provedor. Ele faz com que o cabo com várias fibras entre em sua estrutura com a finalidade de realizar a fusão com as extensões ópticas.

Caixa de Emenda Ótica (CEO)

Estruturas essenciais em aplicações de distribuição, assim como de derivação dos cabeamentos ópticos.

Terminal de Linha Ótica (OLT)

Principal elemento para concentrar os fluxos de dados e da distribuição de serviços. A função do OLT é trocar informações com os Terminais de Rede Óptica (ONT).

Splitters

Splitters são componentes passivos de uma rede óptica, cuja função é distribuir o sinal. É capaz direcionar as fibras para que o OLT se integre às ONTs.

7. Invista em profissionalização

O fornecimento de banda larga evoluiu consideravelmente nos últimos anos no país, mas ainda enfrenta uma série de desafios. Muitos provedores de internet focam seus esforços na área técnica, mas esquecem de investir no sucesso do negócio e na gestão.

Na pandemia, as reclamações com os provedores aumentou em mais de 26%. Muito está relacionado à qualidade do trabalho, mas há também a ausência do contato entre os provedores e clientes.

Os provedores buscam os clientes apenas para oferecer novos planos, mas não para gerar mais valor no relacionamento entre a marca e os consumidores. Não há investimento em estratégias diferenciadas de fidelização de clientes, o que prejudica na retenção.

8. Crie uma cultura de inovação

Prestadores de internet vão ser cobrados pela qualidade da banda larga que oferecem. Os clientes estão cada vez mais exigentes neste quesito, por isso, é fundamental estar por dentro das inovações da rede no país.

Ao incentivar a cultura da inovação, a empresa promove um hábito de promover novidades em suas estruturas, tentando sempre otimizar o serviço e oferecer a melhor qualidade possível.

Junto com a inovação, é importante reforçar a qualidade dos serviços, monitorando as vendas, os contratos e a qualidade do serviço oferecido.

9. Estabeleça maneiras de fidelizar os seus clientes

Para conseguir fidelizar os clientes é preciso ter criatividade. Não basta apenas oferecer promoções e pacotes para novos consumidores, é preciso reforçar a relação com aqueles que têm contratos ativos.

Uma dica para manter uma relação de confiança com os consumidores é por meio de clube de benefícios próprio. Ao criar uma rede de vantagens para os seus clientes, a empresa consegue fortalecer a relação e mostrar mais valor de mercado.

Como montar um provedor de internet via rádio?

Essa é uma das dúvidas mais frequentes por parte das empresas do setor. A pergunta é bastante pertinente, pois trata-se de um dos principais desafios enfrentados pelas empresas que fornecem o serviço ao consumidor

Vale destacar que os provedores de internet estão em pleno no crescimento e expansão no mercado. Dessa maneira, ao se atentar em relação às melhores práticas torna-se possível conquistar mais clientes e se diferenciar no mercado.

A boa notícia é que por meio das melhores práticas que vamos destacar logo abaixo, você vai ser capaz de montar um provedor de internet via rádio de sucesso, contribuindo para otimizar a experiência do consumidor.

Entre as melhores práticas estão as residências que ele vai compreender, a análise da topografia da região, encontrar o provedor e encontrar os locais que possam acontecer retransmissões do sinal de internet. Abordaremos sobre essas questões na sequência do conteúdo.

Densidade de residências que vai compreender

Essa é uma das questões mais importantes sobre a montagem de um provedor de internet. Nesse contexto, é necessário um bom planejamento para que a sua empresa aloque os materiais visando a construção de um bom provedor de internet na sua região.

Existem provedores de acesso para prédios, residências e mistos. Eles apresentam características diferentes e é necessário um bom planejamento para fazer uma escolha assertiva. Nesse contexto, é fundamental levar em consideração as características da sua região e o perfil do seu público para fazer uma escolha assertiva.

Os provedores de acesso para prédios são mais indicados para as empresas que visam atender somente prédios. Nesse caso, o provedor fica centralizado em edifícios com vários condomínios. 

Não se esqueça de verificar se o local onde o provedor está sendo instalado não exista concorrência para não gerar interferência no sinal. Procure fazer a interligação entre prédios por meio de protocolos de comunicação desenvolvidos para redes externas para garantir melhor desempenho na conexão.

A grande vantagem desse tipo de provedor é que em apenas um condomínio, você vai ter a oportunidade de contar com vários clientes. Essa característica contribui para a sua empresa vender mais e ter receitas crescentes.

O provedor de acesso para residências, por sua vez, é voltado para conexões do tipo “Access Point Client”. Nessa metodologia, as distâncias em que o sinal percorre não ultrapassam 5 km. Por isso, é necessário procurar por um local onde há uma boa abrangência de clientes.

Por fim, o provedor misto é direcionado para os provedores que trabalham com residências e condomínios. Nessa situação é indicado usar um equipamento para cada fim. Por isso, é necessário contar com uma central encarregada em fazer o Access Point e outra para fazer o MultiLink nos prédios. Desse modo, evita-se o comprometimento do link com os clientes e evita-se a saturação da conexão.

Considerar o material a ser utilizado

O material a ser utilizado pode variar conforme os tipos de telhados existentes. Os telhados de telha são mais fáceis de instalar do que os de madeira. Nesse último caso, pode ser uma boa ideia contratar um técnico e pedir para que eles façam a instalação no telhado.

Analisar a topografia da região

Ao analisar a topografia da região, você vai ter assertividade em avaliar o potencial do local em que pretende investir.

Existem diversos provedores de internet e entre eles estão via rádio, banda larga etc. Por isso, é necessário estar atento a fatores climáticos (índices de chuvas, por exemplo) e ao relevo para verificar o potencial do seu negócio, pois essas questões podem interferir na qualidade do sinal.

Sobre o relevo, uma situação ideal é procurar fazer a instalação da antena em um vale cercado por várias montanhas ou colinas. Com isso, o seu provedor vai ser capaz de fazer a conexão em todas as casas no vale.

Não se esqueça também de fazer análise da concorrência para verificar sobre as questões que demandam mais investimentos e priorizar esses aspectos desde o início. Desse modo, torna-se possível destacar no mercado.

Encontrar um provedor

Para começar em um provedor é necessário ter uma conexão com a internet pública. Geralmente, a melhor forma de fazer isso é comprando uma conexão com um provedor já existente.

No caso dos condomínios, também é fundamental encontrar um prédio onde você pode fazer a instalação da antena e iniciar um provedor de internet via rádio em uma determinada região.

Encontrar locais que possam acontecer retransmissões

Nesse momento, você vai procurar por locais onde podem ocorrer a transmissão do sinal de internet aos clientes. Primeiramente, defina um local adequado para instalar o equipamento e certifique que ele é o ideal.

Proporcione acesso 24 horas por dia e 7 dias por semana para fazer a manutenção. Sabemos que a internet é cada vez mais importante para as pessoas. Muitas delas utilizam para fins profissionais, lazer, entre outras possibilidades.

Por isso, é fundamental proporcionar o acesso 24 horas, pois em caso de problemas de sinal será preciso chegar com pressa para substituir o dispositivo. Caso isso não seja feito a sua empresa corre o risco de perder clientes.

Dessa maneira, é fundamental ter a cópia de todas as chaves e códigos-chaves da conexão com o intuito de acessar o equipamento rapidamente e a qualquer momento para fazer os reparos necessários.

Quais as obrigações legais para montar um provedor de internet?

É fundamental se atentar às questões legais para montar um provedor de internet. Primeiramente, para ser um provedor de internet é necessário obter autorização da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), caso tenha mais de 5 mil usuários. Por outro lado, se o número de usuários for inferior aos 5 mil só é preciso fazer uma comunicação prévia na agência reguladora.

Além disso, é necessário escolher o regime tributário, pois esse procedimento faz parte do planejamento de tributos de qualquer empresa e esse raciocínio é válido para os provedores de internet.

Geralmente, as empresas do setor adotam o Simples Nacional e o regime abrange as empresas com receita bruta anual de até R$ 4,8 milhões. Caso o faturamento bruto anual ultrapasse esse valor, o Lucro Real e o Lucro Presumido são alternativas interessantes e que devem ser analisadas.

Agora que você entendeu como montar um provedor de internet, chegou o momento de colocar a mão na massa para aplicar.

Aproveite a sua visita para aprender o que é o Serviço de Valor Agregado (SVA) para provedores de internet!

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.