Skip links

Como funciona o mercado financeiro com suas divisões e modalidades

Você sabe como funciona o mercado financeiro? Ele está em alta, recebendo cada vez mais indicações de como se tornar acionista ou comprar ações. 

Tem sido cada vez mais comum ouvir falar em carteira diversificada de investimentos como CDB, CDI e LCA ,Tesouro Direto, Ações e Fundos Imobiliários. 

Para você entender melhor o que representam essas siglas e outras formas de investir, preparamos este conteúdo.

Como funciona o mercado financeiro?

O mercado financeiro é o lugar em que os participantes podem vender e comprar produtos financeiros. Para esclarecer melhor, precisamos saber quem são estes participantes. 

Em primeiro lugar, temos os emissores que são as empresas que emitem títulos de crédito, títulos públicos ou ações de empresas. É importante lembrar que, para começar a negociar os títulos da empresa, é preciso que a empresa tenha capital aberto e faça o IPO. 

Por outro lado, temos os investidores. Cabe a eles investir nas empresas emissoras que precisam de patrocínio para crescimento de suas empresas. Eles podem receber juros futuramente pelo investimento ou podem pedir participação societária. 

Por último, temos os intermediários que vão fazer a ligação entre os investidores e emissores. Geralmente, eles se apresentam por meio de corretoras. 

Instituições do mercado financeiro

O mercado financeiro precisa de algumas instituições capazes de regulamentar e fiscalizar, além de intermediar tomadores e investidores. Vamos mostrar as principais: 

  • Bolsa de Valores, também chamada de B3, a qual é responsável pelas operações; 
  • Conselho Monetário Nacional (CMN), órgão responsável por formular a política da moeda e do crédito, bem como o funcionamento do sistema. Como forma de garantir a execução de normas e diretrizes ditadas pelo CMN, está o Banco Central. Além de outras funções que cabe a este órgão como emissão de moedas, autorização de funcionamento de instituições financeiras e controle sobre as reservas financeiras do país;
  • CVM (Comissão de Valores Mobiliários), responsável por fiscalizar o mercado de valores mobiliários, além de fornecer alguns produtos financeiros.

Quais são os principais mercados?

O mercado financeiro é composto por várias instituições financeiras como bancos, corretoras, órgãos reguladores etc. Além disso, existe uma subdivisão de mercados. Veja quais são eles. 

Mercado de ações

O Mercado de Ações permite a negociação de ações, títulos e derivativos. Assim, as empresas de capital aberto, deixam seus títulos em negociação para quem quiser ser sócio. 

Mercado de obrigações

Dentro do mercado financeiro, temos o  mercado de obrigações, onde é possível comprar títulos do Tesouro Direto ou títulos de dívida de empresas. 

É aqui que as empresas negociam seus títulos em busca de capital de giro para alavancar o negócio.

Mercado de derivativos

Os derivativos são produtos financeiros que derivam de outros ativos.  Nesse caso, temos alguns produtos como soja, café, dólar, petróleo, ações índices. Cada produto depende do preço de um ativo subjacente.

Mercado de balcão

O Mercado Balcão é o lugar em que as operações que não estão na Bolsa de Valores acontecem. Para isso, não há espaço físico, além de permitir mais flexibilidade nas negociações. 

Mercado de renda variável

O mercado de Renda variável é uma parte do mercado financeiro para quem tem um perfil mais arrojado de investidor. Em outras palavras, a pessoa que faz o investimento não deve esperar por um retorno. Isso porque o mercado de renda variável não oferece garantias de rentabilidade. Listamos alguns exemplos.

Ações na bolsa de valores

As ações representam fatias do mercado social de uma empresa. Esse tipo de investimento é muito conhecido, porém, como toda renda variável, possui riscos maiores. Da mesma maneira que o investidor pode ganhar muito, ele também pode perder muito. 

O que acontece quando alguém compra ações de uma empresa, é que ela se torna sócio. Portanto, lucros ou prejuízos são compartilhados com quem investe na empresa. 

Fundos imobiliários

O Fundo Imobiliário é uma maneira de investir em imóveis sem ter que comprá-los. É possível, por exemplo, que o investidor ganhe dinheiro investindo em imóveis comerciais como shoppings ou em novas construções.

Opções e derivativos

O mercado de opções ocorre quando o investidor negocia o direito de comprar ou vender ações diretamente do home broker por um preço pré-fixado ou strike. Esses títulos são negociados a preços baixos, já que não se tratam de ações propriamente ditas. 

O derivativo é um contrato derivado do preço de um outro ativo. Nesse caso, o ativo, também chamado de subjacente, pode ser físico como ouro, petróleo, boi gordo ou ativos financeiros como ações, inflações, moeda ou taxas de juros. 

O mercado de derivativos é uma maneira de proteger o mercado ativo de oscilações de preço futuramente. Dessa maneira, um produtor de ativos, que pode ser de soja, por exemplo, negocia o seu produto  a um preço para o mercado de hoje, mesmo que seu produto se desvalorize ao longo de 30 dias.

Mercado de Renda fixa

No sistema de renda fixa ocorre um empréstimo do dinheiro do cliente para os bancos ou para o governo. Assim, o cliente recebe juros pelo tempo que esse dinheiro fica emprestado. 

CDB

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um título que pode ser encontrado em diversos bancos. Inclusive, muitos bancos digitais permitem que o dinheiro da conta seja investido em CDB. Após determinado período de investimento, o cliente recebe juros sobre o valor investido.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um meio de aplicação muito seguro. A partir de R$30 é possível fazer a compra do título pela internet.  Essa forma de investimento permite diferentes maneiras de remuneração e com liquidez diária.

LCI e LCA

As siglas significam Letras de Crédito Imobiliárias e do Agronegócio, respectivamente. São títulos de dívida que os bancos oferecem como forma de patrocinar projetos que cabem a esses segmentos. 

É uma maneira de investimento com isenção de cobrança de Imposto de Renda. Portanto, aparece como fator principal de atração. 

CRI e CRA

CRI e CRA (Certificado de Recebíveis Imobiliários e Certificado de Recebíveis do Agronegócio, são parecidos com as LCI e LCA. Esses ativos de renda fixa são securitizadoras com o objetivo de financiar o setor imobiliário e o setor agrícola, diferentemente das LCI e LCAs que são emitidas por bancos.

Sendo assim, a emissão torna-se o grande diferencial. No entanto, da mesma forma que as LCIs e LCAs, há isenção de imposto de renda.

Letra de Câmbio

A Letra de Câmbio faz parte da carteira de renda fixa. Nesse caso, as empresas financeiras fazem a emissão dos títulos. Esse é um tipo de investimento tão seguro quanto a poupança, mas que traz mais rendimento.

Por falar no rendimento, o investidor pode o valor do CDI receber uma taxa fica mais IPCA ou o valor do CDI fica atrelado ao rendimento. Mas assim como toda renda fixa, o valor é devolvido ao investidor com rendimento na data que foi acordada no momento da aplicação.

Debêntures

As debêntures possuem emissores de instituições privadas de Sociedade Anônima que possuem capital aberto ou fechado. 

O investimento é utilizado pelo emissor para financiar projetos, reestruturar dívidas, aumentar o capital, entre outras ações. Um cuidado que o investidor deve ter é que esse tipo de investimento não é assegurado pela FGC. Sendo assim, se a empresa falir o investidor perde o valor que foi aplicado.

Poupança

A poupança é a aplicação mais acessível do mercado financeiro. Para confirmar sua acessibilidade, o investimento pode ser feito até mesmo por menores de idade e sua rentabilidade é a mesma em qualquer banco. 

O que torna a Poupança algo muito popular é a isenção de Imposto de Renda e de custos. Outra vantagem é a facilidade de resgate, que pode ser feito em qualquer período. 

Mercado de câmbio

O Mercado de Câmbio incentiva a troca de dinheiro entre os países. É aqui que são negociadas a  compra e venda de moedas estrangeiras. Isso possibilita o comércio, o turismo e investimentos entre as nações.

Mercado Futuro

O Mercado Futuro abrange contratos que aparecem no mercado financeiro com a finalidade de proteger as empresas de variação de preço. Nele encontram-se contratos de produtos agrícolas, metais e outros commodities, bem como de títulos e índices. Esses contratos têm prazo de vencimento determinado e são negociados em bolsas especializadas.

Os investidores que negociam no mercado futuro buscam obter lucros com a variação dos preços desses ativos, assim como proteger suas carteiras contra possíveis flutuações adversas. No entanto, o mercado futuro também pode oferecer riscos, pois os preços podem se mover rapidamente e de forma imprevisível.

Por isso, é importante diversificar a carteira de investimentos e ter uma boa gestão do capital.

O mercado financeiro funciona de diversas maneiras. Mas, para que o investidor veja vantagens ao fazer escolher uma carteira de investimentos, ele precisa estar a par de como cada uma funciona. 

Em contrapartida, quem não sabe investir, acaba deixando o dinheiro na conta corrente e perde oportunidades de ver o dinheiro render. 

Agora que você entendeu como funciona o mercado financeiro, aproveite a visita para aprender tudo sobre o que é IPO.

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.